Praticando “O Evangelho”no Lar.

00PRATICANDO “O EVANGELHO” NO LAR

 

A prática de O Evangelho no Lar, via de regra, é realizado pela família em seu lar, iniciando-se com uma prece e, após, uma leitura de um capítulo ou um trecho de O Evangelho Segundo o Espiritismo, de Allan Kardec, seguido de uma interpretação de seus ensinamentos.


Deverá ser realizado com pontualidade e em determinado dia da semana, pois a disciplina acarretará inúmeros benefícios, os quais citaremos a seguir:

  1. O entendimento dos ensinamentos de Jesus em comunhão de pensamentos, em muito favorecerá que se os pratique no ambiente doméstico.
  2. As lições do Mestre, apreendidas pelos familiares, trará com certeza, a compreensão de que viverão em maior harmonia, tendo em vista que, no próprio estudo, poderão compreender e superar todos os desajustes que porventura venham a existir, despertando o sentimento de fraternidade e amor que deve coexistir entre todos os familiares.
  3. Estimulando a presença das crianças nessa reunião, permitindo que elas participem, mesmo que seja apenas como ouvintes ou oferecer a elas uma explicação mais simplificada sobre a leitura, com certeza essa prática iniciará nelas um interesse pelos ensinamentos de Jesus, acarretando-lhes as primeiras ideias sobre a moral cristã.
  4. A família aprenderá a conviver melhor entre seus elementos e, por consequência, com toda a família universal, compreendendo que todos somos filhos de um mesmo Pai e que cada um é um Espírito distinto, com suas dificuldades, seus defeitos e suas virtudes. Na compreensão disso, tudo se tornará mais fácil, pela aquisição do raciocinado estímulo à compreensão, à caridade, à compaixão, e ao perdão, na certeza de que todos somos irmãos e que dependemos uns dos outros para uma feliz convivência nesta Terra bendita, onde nos encontramos no atual momento.
  5. Quando essa prática obedecer dia e horário preestabelecidos, Espíritos protetores terão condições de ali se reunirem, auxiliando Espíritos de conduta inferior que porventura se encontrem no lar, bem como, transformarem esse local num pronto-socorro espiritual para diversos trabalhos de esclarecimento e consolo no verdadeiro plano da vida.
  6. Além de todos esses benefícios, os participantes criarão propício momento e condições para receberem salutares e benéficas inspirações a respeito de dificuldades que venham a estar enfrentando. Enfim, o padrão vibratório desses momentos de muita paz, serão assimilados por todos, trazendo-lhes um real equilíbrio na mente e no coração, facilitando-lhes uma semana de felizes realizações, sempre com Jesus.

COMO FAZER

  1. Determinar um dia da semana e um horário em que, pelo menos, a maioria dos familiares possa participar.
  2. Obedecer o horário e presença sempre constante dos participantes, a fim de que os Espíritos tenham um ambiente propício às suas atividades assistenciais nos dois plano da vida.
  3. É aconselhável que as pessoas se sentem ao redor de uma mesa para que todos os presentes possam efetivamente participar do estudo e a consequente permuta de impressões e esclarecimentos sobre o texto enunciado.
  4. Disponibilizar um copo com água para cada participante, facilitando, assim, uma fluidificação da água de acordo com as necessidades de cada um.
  5. A reunião deverá ser iniciada com uma prece, em voz alta, por um dos presentes, expressa de maneira simples, sempre usando o coração, sem a necessidade de frases ricamente elaboradas. Essa prece tem a finalidade de preparar o equilíbrio dos participantes, concorrendo a que cada um se desligue dos problemas do dia a dia e volte sua atenção para os ensinamentos de Jesus.
  6. Em seguida, iniciar a leitura de O EVANGELHO SEGUNDO  O  ESPIRITISMO, que poderá ser efetuada de duas maneiras: a) leitura de maneira ordenada, pela qual o Evangelho deverá ser lido em sequência, desde o primeiro capítulo, a fim de que todos tomem conhecimento do mesmo, na ordem em que foi escrito; ou b) abrindo-se uma página ao acaso, permitindo que a Espiritualidade possa interagir nesse processo, pelo qual a página escolhida esteja condizente com as maiores necessidades do grupo. Essa segunda maneira é aconselhada quando todos os integrantes já conheçam o Evangelho; caso contrário, seria melhor seguir a sequência.
  7. Escolhar um trecho do Evangelho que não seja longo demais, podendo ser dividido para ler uma outra parte na reunião seguinte. E após a leitura, deixar a palavra livre, numa sequência combinada, para que os integrantes façam perguntas ou comentem sua interpretação, sempre no sentido de extrair-se o melhor para a evolução de todos, numa melhoria de seus atos no dia a dia.
  8. Se houver um integrante que detiver maior conhecimento sobre a Doutrina, caberá a ele dirimir as dúvidas que surgirem, mas, sempre, na predisposição de, se for o caso, pesquisar sobre o assunto. De qualquer forma, se não houver alguém com mais experiência, isso não é empecilho para não realizar o estudo do Evangelho no Lar, pois todos possuem raciocínio e inteligência suficiente para realizá-lo, sempre com muita fraternidade e espírito de pesquisa, se for necessário, apesar de que os ensinamentos de Jesus são muito simples e de fácil compreensão.
  9. Considerando algumas poucas exceções necessárias, não é aconselhável manifestações mediúnicas, tais como comunicações orais de Espíritos, psicografias ou passes, sendo que essas atividades devem ser realizadas nos Centros Espíritas.
  10. Nas reuniões do Evangelho no Lar, as atitudes de seus participantes são muito importantes para que o estudo transcorra em um clima de muita paz e de suaves emanações fluídicas. Por esse motivo se deve evitar assuntos que encerrem censuras, julgamentos, comentários daninhos ou inferiores dirigidas a pessoas, a religiões ou qualquer outro tipo de diálogo não edificante.
  11. Nada impede que crianças participem, mas, nesse caso, e conforme o assunto, adequá-los ao entendimento delas. E essa é uma boa prática porque aos poucos e gradativamente, elas muito irão aprender.
  12. Trinta minutos é o tempo ideal para essa reunião, apesar de não haver nada que a impeça de durar mais algum tempo. De qualquer maneira, sugerimos não ultrapassar os quarente e cinco minutos.
  13. Em caso de visitas repentinas, estas deverão ser informadas sobre a prática da reunião familiar em torno do Evangelho de Jesus, e convidá-las a participar. Se for o caso, escolher algum assunto que não venha a constrangê-las, de preferência um tema já estudado e comentado por todos. Não devemos nos esquecer que, talvez, essa visita tenha sido programada pela Espiritualidade, com o propósito de que essa pessoa ou pessoas, tomem contato com os ensinamentos de Jesus.
  14. Muitas vezes, algum integrante da família tenha que se ausentar. Caso isso ocorra, os demais devem continuar a reunião, aproveitando para emitir benéficas vibrações mentais em torno do ausente.
  15. Para encerrar a reunião, deve ser feita uma prece agradecendo pela oportunidade do encontro e do estudo. E, após, beber a água fluidificada.

IMPORTANTE

Pode ocorrer que um integrante de uma família não encontre interesse por parte dos demais familiares no estudo do Evangelho. Se isso ocorrer, essa pessoa poderá fazê-lo a sós, estudando e vibrando positivamente pelos demais, num local da casa onde não venha a ser interrompido.

logo-ide-1-alta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *